23 de março de 2018

O Brasil que quero é um país sem xenofobia!


Pegou muito mal nas redes sociais certos comentários xenofóbicos contra Kaysar, feitos por Gleici, a participante do BBB18 vinda do Acre. O caso ainda está repercutindo não apenas nas redes, como em blogs, programas de Tv, páginas de colunistas e jornais online. O site Metrópoles pronunciou-se a respeito com a seguinte nota, escrita por Thais Rosa: 

“BBB18: Gleici é acusada de xenofobia por comentários sobre Kaysar. A sister falou mal sobre a possível vitória de um sírio no BBB e causou polêmica nas redes sociais 
Enquanto as tensões crescem no confinamento, do lado de fora, as polêmicas esquentam as redes sociais dos telespectadores do BBB18. Mais uma vez, o assunto foi a Gleici, até agora uma das favoritas dessa edição. 
A acreana foi criticada por fazer comentários sobre Kaysar, o outro favorito. Para alguns internautas, a fala da sister foi preconceituosa. 
Após os comentários de Gleici, muita gente caiu em cima da acreana no twitter 

“O que é que o povo está achando do Kaysar aqui dentro, hein? Engraçado, né? Ele é um estrangeiro no BBB”, Gleici começou o assunto com Ana Clara e Ayrton, da Família Lima. A ruiva concordou, mas defendeu o brother. “Seria engraçado ele ganhar o Big Brother Brasil”, disse. 
O comentário que mais causou problemas para a imagem da estudante de psicologia veio a seguir. “Um sírio ganhar o Big Brother Brasil? Eu acho que tem muito brasileiro com o sonho de entrar aqui que deve estar nervoso. Tem gente que daria a vida para estar aqui”, falou a sister. 
A internet não perdoou, e Gleici rapidamente recebeu muitas críticas no twitter com a tag “Xenofobia no BBB”. Muitos fãs da acreana a defenderam, criando tensão entre os times “Unidos por Gleici” e “Kaysar vai malandro”. 

O que tenho a dizer nesse caso é que a acreana esqueceu que a proposta do BBB18 é justamente a DIVERSIDADE, razão pela qual ela própria está no programa, certamente por vir de um Estado pequeno, encrustrado na Amazônia, com características bem particularizadas, inclusive pela miscigenação entre brancos, bolivianos negros e índios. A própria Gleici tem traços indígenas que conferem certo exotismo e graça à sua fisionomia, assim como sua mãe. 
A proposta do BBB18 é a convivência com as diferenças. Iniciativa louvável da Direção do programa, considerando que o Brasil é um país completamente miscigenado, com uma população imensa de imigrantes que tanto contribuíram para o nosso crescimento econômico e diversidade cultural. 
Com efeito, os selecionados representam bem essa diversidade: descendentes de estrangeiros e pessoas vindas das regiões mais diversificadas, como Acre, Pará, Ceará, Roraima, Santa Catarina, Rio de Janeiro, etc. 
Mas, Gleici, ainda se sentindo a Clara vingativa da novela, parece não enxergar isso. Assim sendo, a cada semana, ela pega uma pessoa para alvo de sua vingancinha infantiloide. Já tirou Patrícia, já se livrou de Diego, declarando que, sem esses dois, estava em paz. Todavia, suas ações desmentem suas palavras. 
Ela agora foi em busca de mais um vilão novelesco que lhe teria feito mal, para despejar sua artilharia pesada: Kaysar! 
A acreana há três dias vem tentando queimar o sírio. É uma frase aqui, outra alí, levantando, em doses homeopáticas a bandeira da pichação, visando levantar dúvidas no público contra o estrangeiro. 
As juras de amizade por ele foram esquecidas, depois que retornou do quarto farol com a cabeça virada, se sentindo a própria heroína da novela "Do outro lado do Paraíso". Seu plano de “vingança”, bem no estilo Clara Tavares da Novela, ainda não terminou. 
A última dela foi dita ontem: “se Kaysar for ao paredão e não for eliminado, não entenderei mais nada". Pois, vai ficar sem entender mesmo, porque ele irá, indicado por Renato/Wagner, e voltará!

O que essa garota tem contra uma pessoa que não a ofende em nada? Ora, é fácil de entender: ela está se sentindo a própria Clara Tavares, personagem vingativa da novela, portando precisa estender sua vingança à Kaysar pela ousadia de ter votado nela naquele paredão perdido no tempo... Se eu gostasse da personagem de Walcyr, até poderia estar achando linda sua atitude vingativa contra o sírio. Mas, detesto vingança, meus princípios filosóficos e humanitários não são compatível com esse tipo de atitude! Não gosto nada da personagem Clara e seu plano de vingança doentio, e estou torcendo para que ela entre pelo cano com a armação de Renato. O Renato de Gleici é Wagner... Ela dorme e transa com o inimigo e nem desconfia do que ele será capaz  de fazer para ganhar as esmeraldas, ou seja, o prêmio. Essa parte vai ser divertida... 
Sou contra a qualquer tipo de vingança, na mesma medida em que sou contra a xenofobia, ao preconceito contra negros, gays, lésbicas, prostitutas, velhos e deficientes. E não estou sozinha nesse sentimento.
Se a Globo é contra a xenofobia, então porque dentro do BBB deixa que seja feita campanha contra um estrangeiro refugiado e selecionado para o BBB18? 
Participantes dentro do BBB fazendo a apologia  da xenofobia, isso pode doutor ROBERTO IRINEU MARINHO? 


Se a Globo faz campanha para o povo saber como querem um Brasil melhor, então comecem desde já a evitar que, dentro da casa do BBB, se faça comentários xenofóbicos, principalmente tentando manchar a imagem de um participante estrangeiro emigrante! Concorda, Sr. ROBERTO IRINEU MARINHO? 
Todo tipo de preconceito já pode ser falado, em rede nacional, como se fosse qualquer coisa sem importância?! Xenofobia é crime! Não é, SR. ROBERTO IRINEU MARINHO? 


Gleici está perdendo uma grande oportunidade de divulgar a cultura do Acre, um estado tão pequenino, mas com tanta riqueza cultural, justamente por causa da mistura de culturas, desde as indígenas, nordestina e até mesmo do sul do país. Apesar de ser semelhante ao do resto da Região Norte, há uma influência muito grande da cultura do nordeste e do sertão. Sua culinária tem elementos indígenas e nordestinos, com pratos típicos de ambas culturas se misturando. As danças típicas são lindas. 
Pena, Gleici que você esteja sendo tão pequena, tão pouco solidária com um estrangeiro bacana, como Kaysar. Imagino com deve tratar os refugiados que fogem da Venezuela que tiverem a infelicidade de buscar refúgio em sua cidade... 
Pena, Gleici que você esteja sendo tão contraditória com sua militância pelo "politicamente correto" e lutas pelas "minorias"!
Kaysar é um refugiado sírio, pertence a essa minoria! E os partidos de "esquerda" lutam por essa causa, sem olhar a quem. 
Sinto que uma incômoda "vergonha alheia" tomar conta de mim, do meu espírito socialista e humanitário! Vê se cresce, garota! Estude mais sobre o socialismo, sobre os ideais igualitários e humanistas dessa tendência política, que não é exatamente a que o PT lulista prega!


Recadinho supimpa para os meus amadinhos e fofinhos haters, que adoooram falar mal de mim e das minhas marvadezas cruelas em outros blogs: Mô fio e fiotinhas, falem muito, lavem a alma, desabafem suas  frustrações por não poderem mais entrar para comentarem comentários como Anônimos para, despejarem suas canalhices. De mesmo com os desaforados e sem noção de respeito que foram bloqueados. Vocês me amam! Sempre lendo minhas postagens e se mordendo por não poderem entrar para comentarem, né amorecos?  
Falem muito! Adoro saber que estou incomodando tanto! Não fica feio para mim o que dizem, não pega em minha pessoa nem depõe contra Eva. 
É facílimo, para qualquer pessoa, que realmente sabe ler e compreender um texto, saber o quanto mentem, deturpam e caluniam, vindo ler minhas postagens, né amorecos?  
Olhe o que deixo para vocês, amadinhos, lindinhos, fofinhos de Evinha!


Nenhum comentário: