22 de março de 2018

"Ali só resta Kaysar!"




Eu já estava com uma matéria pronta para postar, sobre Kaysar, claro! Deu-se que entrei na caixa de comentários do blog e encontrei esse estupendo comentário, escrito pela comentarista VIVIAN VERÔNICA BUCK, há 10 minutos.  
Esse texto é a prova maior de que não preciso ficar me intoxicando no PPV para colher matérias interessantes e saudáveis para continuar mantendo o blog vivo e atuante. Pois conto com pessoas inteligentíssimas, que se expressam de maneira elegante e educada, pessoas com visões singulares  e personalíssimas acerca do jogo, mesmo sem ser especialistas em BBB, como eu também não sou. 
Agradeço a Vivian Verônica essa preciosa contribuição, esse depoimento lúcido e sem preconceitos, que faz justiça às especialíssimas qualidades de Kaysar, esse irmão sírio/brasileiro que meu coração abraçou. Amigos, vamos à leitura do texto?

Autora: Vivian Verônica Buck (3 horas atrás) - Compartilhada publicamente
"Olá Eva, Hanne, Richard e todos comentaristas. Assim como vocês desisti do BBB. A saída de Diego tira a esperança de que saia de lá qualquer coisa que valha a pena acompanhar. E o que é pior: não dá mais para acompanhar as conversas na rede, tal é o baixíssimo nível que ali impera. Baixo nível no que se refere à forma de expressão. Baixíssimo nível no que se refere ao julgamento que é feito com relação aos jogadores. Ética, inteligência e cultura são menosprezadas. Ou melhor, a maioria nem sabe o que é isso, pois os participantes que apresentam tais qualidades são execrados pelo público. 
Diego foi e tem sido acusado de se julgar superior aos companheiros. Sua forma serena de pensar e agir foi e tem sido confundida com empáfia. Estas são apenas algumas das Interpretações pífias do comportamento de um dos sujeitos mais admiráveis que já passou pelo BBB. 
Na verdade, nunca acreditei que Diego seria vencedor. Ele mesmo foi o primeiro a assumir que não tem o perfil para isso. 
Ali só resta Kaysar. 
Engana-se quem pensa que ele não joga. Joga, sim. Mas seu jogo traz critérios que nosso público brasileiro, em sua maioria, parece desconhecer totalmente. 
A estratégia primeira de Kaysar é a de observar os jogadores com atenção, argúcia e sensibilidade. 
A segunda estratégia de seu jogo é exercitar-se em sua capacidade de observação através de uma aparente alienação. 
Um dia desses Wagner afirmou: “O cara não desenrola uma ideia séria sobre nada. Esse cara que representa o BBB, um cara que só faz palhaçada? Fica chato até pro brasileiro”. 
Pois é, Wagner. Kaysar, aquele que “que só faz palhaçada” foi um dos únicos ali na casa que, não só descobriu o verdadeiro Lucas, como sacou quem é o verdadeiro Wagner, atrás de seu sorrisinho cínico estampado no rosto 24 horas do dia. 
O cara que “não desenrola uma ideia séria”, na verdade, guarda suas ideias sérias para si mesmo pois sabe, exatamente porque observa os companheiros como ninguém, que não pode confiar em quem divide a casa com ele. 
Kaysar faz um jogo solo, até porque ali não há parceiros que sejam capazes de acompanhar seu pensamento abstrato, superior, ético. 
Neste elenco, o único com quem Kaysar poderia partilhar parte de suas vivências, de sua observação, de suas reflexões seria Diego. E este não está mais ali. Foi defenestrado não só pelos companheiros, como, também, e especialmente, pela maioria aqui de fora que, muito provavelmente jamais conseguiu enxergar Kaysar por trás de sua aparente alegria alienada e, exatamente por esse motivo, parece estar se cansando dele. 
Como disse o responsável pelo "Pilotando TV": "Afinal, BBB não é um jogo!! No BBB ser forte é um defeito. No BBB pensar é errado. O público só enaltece a vingança. Nunca bata, mas sempre revide." 
Fato é que num programa como esse, parece que Kaysar também não terá chances. E, então, fica a pergunta: pra quê continuar a assistir o BBB? 
Este BBB 18 já deu o que tinha que dar. Portanto, vamos desligando nossos PPV, mudando o canal, procurando outra fonte de distração.
Que este espaço criado por você, Eva, permaneça aberto. Porque ele parece ter sido um dos únicos que restaram onde pessoas que gostam de observar o comportamento e as emoções humanas podem expressar-se de uma forma decente, sem deboche, sem palavras chulas, sem piadinhas de mau gosto.
Abraço."

Obrigadíssima, querida Vivian Verônica, por fazer-me companhia na torcida por Kaysar, por enxergá-lo de forma tão verdadeira, em sua humanidade e beleza interior, tal como eu o enxergo. 
Postar um comentário