22 de fevereiro de 2018

De onde saem esses tiros, meu Pai?



Já demonstrei muitas vezes aqui meu descontentamento com essa edição do BBB e minha recusa de estabelecer uma torcida tríplice, como sempre fazia. Não estou agindo assim por capricho. Não! Nem Kaysar eu escolhi para ser meu mega favorito. Não, não o escolhi! Foi Kaysar quem me escolheu. Sim. Foi ele com a irresistibilidade de sua integridade moral, do seu caráter ilibado, de sua imensa simpatia e da forma educada como interage com todos na casa, até com os que o desprezam (e ele percebe, mas prefere calar). 
Sim, Kaysar conquistou-me com a ternura dos seus gestos, com sua sincera humildade, depois de me ter seduzido com sua pouco comum grandeza humana e dimensão espiritual. 
Foi esse avassalador conjunto de qualidades que me escolheram irreversivelmente.  Além de tudo isso, que não é pouco, tocaram-me, no fundo da alma e do coração, sua trágica história de vida e de superação. Sem falar no amor imenso que esse meu irmão sírio/brasileiro nutre pelo Brasil.
Esse sim, seria o participante mais deferenciado e merecedor de chegar à final, conferindo uma repercussão a nível internacional justamente por ser um emigrante foragido de guerra, que essa família fuleira que, até agora, só tem me inspirado repulsa e vergonha alheia. 

O que estou querendo dizer com isso? Simplesmente que continuarei torcendo por Kaysar. O melhor de todos nessa bagaça dirigida por desonestos. Torcerei por ele até que seja despachado, pela porta dos fundos do Projac, num triste e decepcionante quarto lugar, tal como aconteceu com Marcos. Com este porque se aproveitaram da briga dele com a embusteira para tirá-lo de um jogo no qual ele era o favorito.  Com Kaysar os mestres da manipulação ainda têm dois meses para engendrarem um meio de defenestrá-lo, num paredão com o queridinho que tiverem conseguido dar mais destaque nas edições, como já estão fazendo. 
Porque isso? Ora, ora, porque a novidade do programa anterior eram as gêmeas, postas na casa para uma delas ganhar o prêmio. Era a queridinha do Paspalho louro e do Diretorzinho Dourado, com a benção de Boninho. 

A novidade da vez é a tal Família Lima. Faça o que fizer o insuportável Véi ridículo e libidinoso, dentro da casa, nada o levará à uma eliminação. Não mostram as patifarias dele, como não mostram as cenas incríveis protagonizadas por Kaysar. 
O Campeão já entrou carimbado: A Família! O pai se gaba de já ter trabalhado em edições anteriores do BBB, é amigo de Bonis e, quando estava dando show de inconveniências com a filha, foi honrado com uma conversinha especial do Paspalho, avisando-os de que o público estava estranhando o relacionamento pai/filha. Eles esnobaram o aviso, afrontaram o público, dizendo que iriam beija na boca muito mais.  Uma vergonha! Peitaram o público e a produção. O véi é acintoso: mesmo estando no TCT, comendo do melhor, bebe o leite do TCN, come o feijão e a rabada, sem um pingo de respeito. Depois não sabe por que votam nele para o paredão, como a sonsa Gleici não faz idéia do que fez para ser tão desprezada. 

Portanto, gostaria que lessem esse texto escrito por Acioli, colunista do Votalhada. Ela expressa exatamente meu sentimento, minha descrença e a minha vergonha alheia por ainda estar blogando sobre esse desmoralizado BBB18. 



Texto de Acioli, publicado em 22/02/2018 

"Que tiro foi esse? 

"Quarto paredão do BBB18, e o segundo índice de rejeição mais alto em paredão triplo até então, de todas as edições.
Mas porque, se houveram concursantes bem piores ao longo das edições anteriores, que não chegaram nem perto desses índices? 
O que que está acontecendo? É com a audiência ou com os candidatos. 
Elaborei uma lista de suposições para identificarmos de onde partiu esse tiro. 

1) A audiência está mais intolerante com o erro. 

Bom, a sociedade anda muito pior, não melhor. Somos confrontados com erros de caráter e conduta muito piores do que essas duas cometeram, e que não prejudicaram ninguém além delas mesmas. Sendo assim, não faz sentido essa rejeição toda, se somos tolerantes com os erros que nos afetam diretamente. 

2) As concursantes foram as piores até agora. 

Sabemos que isso não é verdade. Sabemos inclusive, que atributos de valor muito mais duvidoso já foram bastante exaltados e até premiados em edições anteriores. 


3) As emparedadas eram minoria.
Maior bobagem que já escutei. Ana Paula pertence justamente à classe que jamais seria rejeitada por este motivo. É jovem, branca, bonitinha, esclarecida. Nayara, apesar de negra, que alguns diriam ser motivo, é jovem, estilosa, esclarecida, formada. Que minoria é essa, se inclusive 54% da população brasileira é negra? 

Descartei essa hipótese antes mesmo de escreve-la, mas ela faz parte do rol de desculpas por aí, por isso foi listada. 
Bom, não me ocorre mais nenhum motivo para a rejeição de ambas, se encararmos apenas como desejo da audiência. Por mais que elas não tenham agradado a maioria, elas agradaram muita gente, basta ver as defesas nas redes sociais. Então, esse índice de rejeição, nesta escala absurda para paredão triplo, não corresponde à realidade. 
Mas, se encararmos como termômetro do curso deste jogo, e não uma análise isolada, percebemos que até agora, no quarto paredão, quatro mulheres foram eliminadas, e o índice de eliminação foi gradativamente aumentando de Mara, a primeira, até Nayara, a última, ao ponto de virar a rejeição mais alta em paredão triplo até então. 
Isto certamente é uma resposta à alguma coisa, só precisa ser analisada. 
E então a gente pensa que se o motivo não é explícito, ele pode ser oculto. O que nos leva a outra suposição. 
Ambas deram o azar de ir para o paredão com o queridinho da edição. 

Bem, o paredão de Ana Paula contou com Paula, que não tem uma torcida expressiva que se mobilizasse para eliminar o adversário. Mas também contou com a Família, que apesar de ter menos seguidores, arrebatou a torcida de Mahmoud. 
Já Nayara deu o azar de se juntar aos "ídolos" da edição, e levou os votos das duas torcidas mais numerosas deste ano. 
Portanto, a afirmação parece proceder. 

Desse jeito, a próxima emparedada mera mortal, a que não tem hordas de torcidas na internet, é Patrícia. Será que a rejeição dela superará a de Nayara, confirmando a suspeita? 

Não podemos esquecer que os haters se multiplicaram como Gremlins na internet, e esta é a primeira edição sem votação pelo telefone. Ou seja, para cada ligação antiga, agora temos dezenas, centenas, e até milhares de clicks. E quem só ligava, muito provavelmente não está votando pela internet, portanto para cada voto de telefone a menos existem milhares de votos pela internet a mais. Isso bagunça qualquer estatística. 

Na verdade, o novo sistema permitiu esses novos parâmetros, já que agora os mutirões não precisam mais bater as ligações 

Sem limitar a um número máximo de votos por IP (5 seria um ótimo número, praticamente permitiria que uma família inteira que vivesse no mesmo endereço, pudesse votar), é isso que teremos daqui para a frente, cada vez que um queridinho estiver no paredão. 

Portanto meus amigos, não se iludam sobre a origem do tiro. Ele veio de onde sempre vem, desta vez turbinado pelas novas regras criadas para iludir a audiência, que a direção insiste em subestimar, e que os haters da internet insistem em desmoralizar. 

E vou terminando este artigo com mais uma #ProfeciaBBB. 

Final: Gleici x Mahmoud x Família Lima. Kaysar no máximo leva um desonroso 4° lugar, se der a suprema sorte de não ser emparedado junto com os preferidos. 

Quem for ao paredão com os queridinhos, sairá com rejeição. 
É por essas e outras, e apenas para cumprir contrato com os patrocinadores, que esse programa ainda permanece na grade até 2020, senão já teria saído, tamanho o mico que paga e a revolta que produz, edição após edição. 

Agora é só a internet que vota, mas ainda é o sofá que assiste às edições do programa em suas tvs nem tão smarts assim. E por esse Brasil afora, é pelas telas das tvs, que os patrocinadores convencem a audiência a consumir seus produtos. 

Mas a emissora insiste em tratar a audiência do sofá como idiota.
Que se pergunta, assustada; Que tiro foi esse, que tá um arraso? 

E você olha para a imagem na tela, e parece ver ao fundo, o diretor soprando o cano da arma." 

Acioli - aciolicontato@gmail.com

Acioli disse a verdade, nada mais que a verdade, enxergada por uma pessoa muito inteligente,  conhecedora das manhas e maracutaias globais e acompanhante do BBB. Parabéns pelo texto! Obrigada por ter exteriorizado o que também penso, mas não saberia dizê-lo com a habilidade verbal dessa querida colunista.
Postar um comentário