22 de junho de 2017

Quem se lembra de Tati Pink?




Quem ainda se lembra de Tati Pink (BBB5), sua maneira exótica de vestir-se, sempre com muitas peças rosa pink, meias listadas, penteados sui generis, muito engraçada, especialmente devido ao seu sotaque nordestino do interior de Pernambuco e seu jeitão de falar típico do Nordeste.  


 Pink não chegou a levar o prêmio de R$ 1 milhão, seu grande objetivo ao entrar no “BBB 5”, mas ganhou fama, ganhou a simpatia do diretor do Zorra Total e um emprego de três anos na Globo, como comediante.  

Tati Pink, a divertíssima parceira de Grazi Massafera e Jean Wyllys no reality, não se deslumbrou com o mundo midiático, nem com o fato de ser atriz da Globo.  
Quinta colocada no reality, Pink deixou a atração com um quadro garantido no humorístico “Zorra total”, no qual permaneceu até 2008. “Fui até o meu limite, quando eu vi que não dava mais, peguei meu banquinho e sai de mansinho. Não gosto de apelar”, conta. Para gravar o programa, mudou-se de mala e cuia para o Rio, onde conheceu seu atual marido, o pediatra Éder, além de ter participado de várias peças de teatro infantil.


Depois de um ano de casada, eles decidiram morar juntos na cidade da cabeleireira, dando continuidade ao sonho da ex-sister. “Montei dois salões de beleza, o Pink little, para crianças, e o Pink tudo, de adultos. Tenho espírito empreendedor e sou um pouco ousada”, justifica.


Pink e Éder têm dois filhos: Helena e Miguel. Com o caçula ainda mamando no peito, ela quis aproveitar a popularidade e se lançar como candidata a vereadora em Recife, há anos atrás. Derrotada nas urnas, ficou como suplente, mas, desistiu da carreira política: “Passei muito tempo sem colocar meus nenéns para dormir e investindo dinheiro demais na campanha. Não quero mais isso!”.

Ela também disputou uma vaga de veterana no “BBB 13”. “Tinha certeza que ia entrar. Voltaria pelo prêmio. R$ 1 milhão e meio não faz mal para ninguém, né? Meu salário é razoável, mas esse dinheiro iria ajudar muito a divulgar os meus negócios”, assume ela, completando que não sente falta de estar na TV. “Não nasci para isso, mas não recusaria uma boa proposta”. 

Infelizmente, Boninho preferiu convidar as três insuportáveis, desgastadas e escandalosas Fani Pacheco, Nathalia Casassola e Ana Mara (Maroca), a gralha ensandecida e barraqueira. Três ex-bbbs profissionais que garantiram as cenas mais deploráveis no BBB13. Hehehehehehe. Foi uma bagaça homérica! Upa, lá, lá!
Claro que as três foram eliminadas sem chegarem nem perto do prêmio milionário. 
Pink, Jean e Grazzi, o trio inseparável formado na casa do BBB5, virou dupla fora. Dos companheiros do reality, Pink mantém apenas a amizade com o Jean. “Com a Grazi, não falo mais. Admiro o trabalho dela, mas não temos mais contato”, diz ela, neta de pastor e que se converteu à Igreja Evangélica. Eu torcia demais pelo trio. 
Infelizmente, já não se faz BBB como antes!

5 comentários:

Anônimo disse...

Pink era hilária, uma verdadeira figuraça. Quem se lembra de Grazi e Jean no BBB, jamais poderia se esquecer dela. Uma mulher batalhadora e com os pés no chão. Eu nem lembrava que ela tinha disputado vaga para entrar no BBB 13 (uma pena que não entrou). No BBB 13, Boninho quis colocar os veteranos para dar audiência e ao mesmo tempo não queria que nenhum deles ganhasse (pois no BBB 10 já havia ganhado um veterano, Dourado), então só colocou veterano sem noção (tanto as mulheres quanto os homens) e tentou fazer uma guerrinha entre os veteranos e novatos (mas não deu certo, então ele investiu nos destemperos super exagerados de Kamilla, e no romance forçado de Fernanda e André). Não se fazem mais BBBs como os que Pink participou.

Leandro Batista disse...

Linda e divertida. Foi-se o tempo que o BBB era um RS de entretenimento. Havia rivalidade, conchavos e etc, mas fazia parte do jogo. O BBB se tornou uma coisa pesada desde a edição 14. Não é a toa que tivemos duas expulsões por agressão em duas edições seguidas.

disse...

Gostei muito do BBB5. Naquele BBB aprendi que não dá pra confiar em amizades estreitas e ad infinitum iniciadas em RS, onde está em jogo um prêmio em $. Pink e Jean ficaram rompidos por anos. Nem sabiam que eles voltaram a se falar. As pessoas se entendiam com conversas inteligentes no BBB. Eu, por outro lado, curto muitíssimo. E amo tipos distintos. Amava O João Maurício e os meninos do BBB12 ( acho). Hoje não tenho a menor simpatia pelo Jean, mas torci por ele no BBB5 e amava o trio. Chega de mulher mostrando a bunda, as partes íntimas e falando putaria! Queremos entretenimento gostoso, atraente, mas sem tanto personagem montado, e sem mulheres que parecem mercadoria na feira.

Cecília Novaes disse...

Ni, eu acho que nos últimos anos até tentaram mudar isso, é só ver que desde "BBB malhação" (14), desde o 15 a casa tem contado com perfis distintos. No 17, olha que rica parceria era a confination.
Mas sabe-se lá porque razão a edição privilegiou e protegeu tanto o casal nojo ao invés de mostrar as conversas interessantes da confination e os divertidos momentos do trio Pedro, Vivian e Roberta.
Sempre começa bem, mas depois vai pelo lado mais fácil (casalzinho caprichete).

Anônimo disse...

Falando em BBB.Mais uma vez Emilly foi ofuscada num evento em que Neymar estava.A famosa queria conhecê-lo mais não obteve êxito kkkkkkkkkkkk que destino cruel! Kkkkkkk