8 de junho de 2017

O brilho intenso da Campeã VIP ofuscou até o Sol no Braz!



Loja Oxigênio.  Presença VIP de Emilly!

Vamos falar sobre adequação de imagem a produto, e o porque não basta brilhar tanto quanto ou mais que o sol para ganhar o mercado.

Entendam: A Vice-Campeã do BBB17, Vivien Amorim abraçou o popular – em sua melhor jogada, consciente de que os 15 minutos da fama são mais difíceis que o imaginado - e, com isso, conseguiu quadruplicar o período de pós-bbb que uma vice normalmente tem.

Vivien Amorim abraçou não apenas o popular, como abusou do seu carisma para conseguir uma penetração que vai além dos seus fãs. Ponto para ela! 
Com uma maior abertura de público, ela pode plantar (escolha estratégica de palavra), a semente para o interesse futuro de outras marcas, que querem público fiel, mas não querem estar necessariamente atreladas a Reality Show. Então, quando a chama fugaz do BBB17 estiver se apagando, ela tem nessa expansão de público, um belíssimo bote salva-vidas para uma retomada profissional ligada à sua boa imagem. Enquanto isso fatura bastante e tem agenda cheia.
 

Já a campeã do BBB17, Emilly Araújo, optou por aguardar a sua ascensão no mercado de luxo. Algo que alguém com um mínimo de entendimento percebe não ser adequado à sua persona. Inclusive porque seu público não é financeiramente interessante para essas marcas sofisticadas e caras. 

As pessoas que seguem Emilly lotariam espaços? Sim. Consomem esses produtos? Quem sabe... Em uma análise rápida? Não!

Além da tão prolongada e incerta espera de um debute na maior emissora do país, a fôfa desfila marcando em suas fotos peças de gosto duvidoso, muitas que já possuía antes de entrar para o programa e trocava com a irmã gêmea.
Mais uma bola fora. Reduz ainda mais, a mais remota possibilidade de interesse que possa vir a existir. Afinal de que adianta ter 2 e meio milhões de seguidores que não têm poder de aquisição de um modelo de estilista famoso? Marcas de luxo não prezam pela quantidade, mas sim pela qualidade. Quanto mais selecionado e exclusivo melhor.
Então, quando com quase 2 meses de fim do programa, finalmente a Campeã assume um evento VIP (porque tiveram os permutados que não foram publicamente assumidos, como o da loja de maiô, da casa onde foram tiradas as fotos de maiô, ou da loja de bonés, por exemplo), é mais do que normal que ocorra estranhamento ao ver a mesma Campeã, debutando – oficialmente – em uma loja popular do Braz. O Timming de abraçar o popular, acabou passando. O que é uma pena, pois ela poderia estar brilhando muito nesse seguimento da moda. Seria, inclusive, mais coerente com o discurso que a fez campeã. Se somado à legenda de auto estima do dia (decolando para o Brasil e para o Mundo), é quase impossível não comentar.

Adequação de produto para um mercado é algo mais complicado do que parece. E não existe texto narcisista, disfarçado de auto suficiência que mude esse fato. Nem mesmo brilhando tanto quanto o sol, como se gaba a Campeã que nunca ouviu falar em humildade e modéstia. 
Emilly não sabe sequer posar para fotos: entorta tanto o corpo que se amarrasse um fio da cabeça até o pé, virava um berimbau. No desfile da loja no Braz, ela desfilou com alguns modelitos à venda na mesma. Em vez de desfilar direitinho, com graciosidade, levando a sério seu papel no evento, resolveu fazer palhaçada, dançando, dando pulinhos, corridinhas, como se fosse uma criacinha sem noção. Mais um mico, para aumentar a coleção simiesca! 
Ainda bem que se tratava de uma loja de um bairro modesto, com um público dos arredores, gente simples e pouco exigente. 
Realmente, ela não tem cacife para uma presença VIP numa grande loja, frequentada por um público mais exigente, mais sofisticado e acostumado com desfiles elegantes. Vivian sabe os segredos da passarela. Foi Miss Amazonas, tem classe, é estilosa, tem um porte elegante e sabe posar lindamente. 
Muitas outras atitudes, comportamentos e fatos também só tendem a atrapalhar a tal decolagem da Campeã para o Brasil e o Mundo, tanto que o voo aterrissou no Braz. 
Uma delas, e talvez a mais grave, é o hábito de mentir deslavadamente e de forma ininterrupta, resultando em fenomenais trolagens nas redes sociais e na mídia, somado aos Micos imensos que a expõem ao ridículo, além de abalarem sua credibilidade. Juntando a tudo isto a má fama que adquiriu no confinamento, suas proezas sexuais, ampliadas com o escandaloso caso de polícia em que se envolveu com o ficante, torna difícil para as boas marcas quererem relacionar o nome dos seus produtos a uma pessoa com a imagem tão má afamada.
Que necessidade tinha Emilly de dizer que saiu do flat em um luxuoso Hotel na Barra da Tijuca, bairro de granfinos e endinheirados, para alugar um outro no mesmo bairro, um duplex de cobertura, com piscina, churrasqueira, etc, etc... 
Que mentira mais cabeluda! Na verdade, o apartamento em que está agora fica em Jacarepaguá, quase em frente ao Parque Olímpico. Barra coisa nenhuma! Pisa menos, garota!
Ela deveria, era fazer um exame de consciência, tentar ser uma pessoa melhor, tentar ser gente! Menos arrogância fia. Tá feio! 

Emilly não tem bons modos, não lhe ensinaram nada, nem que é nojento e feio estar sempre com o dedo enfiado no nariz. Paiduceuzinho!!!! Cada dia ela fica pior. Nossa, cada dia um flash... Chega a dar pena. Em que mundo ela, a irmã e o pai vivem?! Coitada... Tem que morrer e nascer de novo para chegar perto do que é a Vivian! 
Sou brasileira e falo Brasil! Socorro menina! Paiduceu!


Nenhum comentário: