9 de maio de 2017

Enfim, sai das sombras Karina Araújo, irmã das gêmeas


Desde que começou o BBB17, vem me chamando a atenção a ausência da irmã mais velha das gêmeas, Karina Araújo. Emilly raras vezes mencionou seu nome, e quando o fez a chamava de Dada. 

Nos paredões da embusteira, apenas no primeiro Karine compareceu, mas não foi mencionada por Tiago Leiffer. Muito estranho! Ela está junto 
do pai, com o braço levantado. Observe que Mayla não está. Abaixo outra foto dela entre o pai e um amigo da família.


Pensei então que elas fossem intrigadas, quiçá porque a irmã não houvesse concordado com a atitude indiferente de Emilly com a mãe às portas da morte. Abaixo, foto da mãe com o marido e as gêmeas. Karina nunca está nas fotos da família. 
Depois imaginei que Karine poderia ser a única da família que estava se sentindo de luto pela sofrida morte da mãe e não queria festejar nada.



No entanto ela estava presente na festa do encerramento do BBB17, embora não tenha feito nenhuma foto com as gêmeas, nem tenha ido às festas. Na foto acima, ela está à esquerda, vestida modestamente, de calça escura e blusa branca, logo atrás de Mayla, com o braço no ombro do pai. 

Quando Emilly ficava na liderança nunca veio uma foto da família na qual Karina estivesse. Era sempre o pai, Mayla e a mãe ainda jovem com as gêmeas recém-nascidas. 
Muito bonita! Karina e o marido com o filho.
Curiosa para ver uma foto da irmã que vivia na sombra, parti para a pesquisa nas redes sociais e no Google. Para surpresa minha, não encontrei somente as fotos, mas fatos lastimáveis que me deixaram perplexa. 
Aquilo tudo que li era muito pesado! Era assustador! Karine de Araújo Correa estaria envolvida em ação criminal investigada pela Operação Caravaggio, sob a alçada da Justiça do RS. Abaixo o link para quem quiser conferir. 

https://tjrs.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/20992525/apelacao-crime-acr-70040391914-rs-tjrs/inteiro-teor-20992526?ref=juris-tabs" 

(localizei este link no Google)

Fala-se que o marido Igor também fazia parte do bando criminoso. Todavia não sei se é este o nome do marido de Karine. Se é, então esteve, também envolvido, está na lista dos componentes da quadrilha.

Custa-me a acreditar que a Karina criminosa seja a mesma Karina irmã das Gêmeas, apesar do sobrenome ser o mesmo. Todavia existem homônimos. Na foto abaixo, Karine no ato da prisão. A moça da foto parece demais com a irmã de Emilly. O mesmo cabelo, o corpo cheinho, bonita. Será?
A conclusão que eu tiro é que essa família Araújo é bem atrapalhada! As gêmeas são muito mal faladas em Eldorado do Sul, as histórias que contam não são nada edificantes, onde arranjam dinheiro para comprarem roupas e sapatos caros é um mistério que envolve boatos escabrosos. A mãe delas deve ter sofrido muito... Pobre senhora!
Com um passado tão obscuro, as gêmeas não deveriam relegar ao desprezo a irmã pelos erros que cometeu. Afinal, ela é casada, cuida do filho e deve ter cuidado da mãe. Vive sua vidinha apagada e modesta, na sombra das irmãs e do pai oportunista, sem o deslumbramento dos três pela fama passageira e desesperados pela ânsia de sucesso. Agora que se sentem ricos é que vão querer a filha mais velha bem longe deles. Ainda chegaram a dizer que iriam morar todos juntos, o sobrinho iria estudar em um bom colégio, etc. Decerto mudaram de ideia, acharam melhor não terem a irmã mais velha e o marido (que não suporta Emilly e vice/versa) por perto, e a mandaram de volta com o filho para Eldourado do Sul. Que família! 
Karina sendo maquilada. Linda!

3 comentários:

disse...

Querida Eva,

Que família! Infelizmente uma família que enveredou pelos caminhos da tortidão com tantas outras. Vivemos uma falência dos valores seculares, dos valores éticos e morais. A corrupção está institucionalizada. Ela começa nos três poderes e alto empresariado e se estende até as camadas mais pobres da sociedade. O mundo virou uma selva, onde a luta pela sobrevivência é uma carnificina.

Longe de querer justificar atos torpes, mas todo o sistema atual corroído desde a base, estimula a desonestidade, a corrupção, e "pequenos delitos". E muitos desses atos são tão corriqueiros que parecem normais - inventar menor carente, fraudar recibos médicos existentes para escapar do "Leão", vender ou comprar produtos piratas, usar os recursos da empresa para fins pessoais, só para citar alguns usuais. Mas a lista é interminável. Não há políticas públicas que estimulem a educação. Não há estímulo para os jovens. Hoje as pessoas terminam uma graduação e muitas vezes são obrigadas a aceitar trabalhos muito abaixo das suas qualificações, porque os empregos escassearam e os salários são tão baixos que não pagam as contas. E existem o Marketing e a Propaganda incitando o consumo de bens e produtos, vinculando a felicidade e o sucesso à posse deles. É uma lavagem cerebral. O empreendedorismo também é um caminho espinhoso. As altas cargas tributárias, a competividade acirrada, a legislação burocrática - tudo isso é desestimulante.

O que isso tudo tem a ver com Emilly e família? Aí é que está: na luta ferrenha pela sobrevivência ou a avidez por consumo e posse de bens, muitas pessoas são levadas para o "caminho mais fácil" e começam muitas vezes com "pequenos delitos". Parece infinitamente melhor e mais rentável do que sacolejar num transporte público por horas a fio, levantar na madrugada, preparar a marmita, e receber um salário miserável que não dá nem para pagar as contas obrigatórias e fixas. Daí para fazer parte de uma organização criminosa, ingressar no tráfico de drogas, milícias ou afins, é um pulo.

Outra alternativa é o futebol ou a carreira de atriz/ator. Mundos que soam como glamorosos e uma porta para a riqueza, fama, poder, viagens caras, luxos. Ademais, quantas dessas que hoje estão ricas e famosas começaram fazendo filmes pornôs, cenas de incesto, sendo prostitutas de luxo veladamente- submetendo-se a assédio por parte dos diretores, etc.

Um profissional "bem sucedido" com o ápice da educação formal - Postdoctoral - nunca vai ganhar numa vida inteira de trabalho e dedicação o que um famoso recebe em um mês. Vamos ser honestos: é um baita desestímulo. Tem que ter muita base ética/moral e uma senhora estrutura. Não é pra qualquer um.

disse...

Tive que dividir o texto em dois, devido a quantidade de caracteres.

Parte II

Mesmo Vivian, uma jovem com formação e educação formal numa área que continua em alta, opta por deixar a carreira de advogada em stand-bye e aproveitar os 15 minutos de fama para ganhar algum dinheiro, fazer um pé de meia e proporcionar uma vida mais confortável à família.

Essa breve contextualização não visa justificar a família Araújo. Nem eximí-la dos seus erros. É tão somente para nos lembrar que elas são produto de um contexto que estimula tacitamente o caminho da tortidão. Infelizmente elas não são a exceção.

Vivemos num mundo que cultua o fútil, o transitório, o prazer irrestrito e a qualquer preço.

Quanto a irmã do Emilly, todos os indícios convergem para crer que é ela sim. O processo é oriundo da cidade de El Dourado/RS. O sobrenome é o mesmo, as características físicas muito semelhantes na essência. Acredito que ela evita se expor porque sabe que a vida de quem entra no RS é devassada. Tanto ela quanto as gêmeas certamente não queriam que essa história fosse divulgada. Motivo que explica a retração. Além do que, ela deve morar em casa separada. O pai dessas meninas, como tantos pais por esse Brasilzão, estimulam e aprovam as escolhas equivocadas dos filhos.

Resumo da ópera: acho tudo isso muito triste. Deplorável mesmo. E constatar que essa realidade não é incomum nem a exceção me deixa desolada. Para a irmã mais velha o bicho pega. Se já é difícil encontrar emprego tendo graduação e experiência, imagina para quem traz no currículo o envolvimento com uma quadrilha de criminosos.

As gêmeas devem continuar na saga pelo glamour, fama e vida fácil. Não vislumbro um futuro bom para essas meninas, que não tem o menor interesse em aprender nada, a não ser se dar bem na vida com um mínimo de esforço.

Quando janeiro chegar será que elas ainda estarão certas da escolha de ir morar no RJ? Quem, em sã consciência vai querer vincular sua marca e o seu nome a essas duas? O público hoje é mais consciente. Ainda que alguma marca tente, vai esbarrar na rejeição do público consumidor e terá que voltar arás. Esse um milhão e meio, que nem é tanto dinheiro assim, deve ser reduzido a pó de traque. Sem juízo, sem equilíbrio, e com tanto deslumbramento, visando apenas o aqui e o agora, o fim dessa história não deve ser nada feliz.

"Dinheiro na mão é vendaval
É vendaval!
Na vida de um sonhador
De um sonhador!
Quanta gente aí se engana
E cai da cama
Com toda a ilusão que sonhou
E a grandeza se desfaz
Quando a solidão é mais
Alguém já falou.

Pecado Capital - Paulinho da Viola

Re Padilha disse...

Jesus... quanto ódio.... duvido que este monte de gente santa aqui sejam absolvidos por Deus... se vcs são santos já pecaram aqui.