2 de setembro de 2015

Novelas ou o mais puro lixo televisivo não reciclável?



O segundo capítulo da novela A Regra do Jogo deixou bem claro que a Globo está oferecendo aos seus telespectadores mais um lixo televisivo da pior qualidade. Na cena que foi ao ar nesta terça (1/9), a dona de casa Djanira se desespera com a prisão de Tóia (Vanessa Giácomo), acusada de furto, e pede ajuda ao filho para livrar a moça da cadeia. Romero foi visitar a mãe no hospital, que passou por uma cirurgia de aneurisma, protagonizando cenas asquerosas de crueldade contra a convalescente. Ao entrar no quarto foi logo disparando um monte de ódio represado, provocando a fúria da mãe que o abomina: "A senhora não mudou muito nesses anos". "Adoraria nunca mais ter que olhar para tua cara", rebate Djanira. Simplesmente abjeta a troca de impropérios entre os dois, tornada ainda mais hedionda com as humilhações desumanas que o filho diabólico submete à implorante mãe, obrigada a sair do leito do hospital para ficar de joelhos aos pés do sádico filho para pedir que a ajudasse a libertar a filha que roubara para pagar a cirurgia urgente. A cena foi grotesca. 
Mas, desesperada por salvar Tóia, que pegou dinheiro da boate em que trabalha para pagar o hospital, Djanira se ajoelha e implora pela ajuda de Romero. "Ela cometeu um assalto para poder pagar a conta desse hospital. Eu quero que você livre a minha menina da cadeia", pede, aos prantos..Para minha sensibilidade foi demais! Decidi, de imediato, mudar de canal, na certeza de que não me interessa continuar vendo tanta baixaria e imundice a guisa de divertimento. Não suporto mais poluir meu espírito e empobrecer minha mente com a lixarada não reciclável que a decadente Globo e seus fraquíssimos novelistas resolvem impingir aos amantes das novelas. Chega de louvação à corrupção, à cafajestada de delinquentes, às aventuras abjetas de mulheres destituídas de valores morais, às façanhas sexuais de quengas, às atividades espúrias de vadias, ladras, somadas às execráveis ações de traficantes, assassinos, estupradores, pedófilos e a numerosa gentalha que compõe a fina flor da escória social. 

Cabia à Rede Record o mau gosto pela produção deste tipo de novelas, baseadas no esgoto do submundo social, na violência de todos os tipos, no sadismo descarado, na indignidade humana e em tudo que representa a iniquidade do lado mais obscuro, nefasto e abjeto do ser humano. De uns tempos para cá, a Globo passou a copiar o abominável modelo da emissora do Bispo milionário.
É uma lástima ver atores de qualidade como Toni Ramos, Cauã Raymond, Alexandre Nero, Kássia Kiss, dentre outros, enxovalhando-se numa trama tão nojenta. A novela de João Emanuel Carneiro, como a dos autor de "Verdades Secretas" são para quem aprecia o universo das baixarias da vida atual nas favelas e centros urbanos, na política e nas cadeias, gente que se diverte com a miséria humana em seu nível mais degradante, sem sentir ânsias de vômito.
"Verdades Secretas" é a apoteose da pedofilia e do mundinho mesquinho das garotas de programa disfarçadas de modelos de moda, exploradas por uma Cafetina inescrupulosa e homens degenerados  e tão inescrupulosos quanto ela, que  exploram sexualmente meninas de 16 anos, tratando-as como quengas vadias. Isto sem falar no glorioso mundo das drogas e da viadagem servidos como a cereja do bolo fétido oferecido no final da noite. Beleza, não é mesmo? 

Um comentário:

Anônimo disse...

Concordo contigo e você tem de escrever um livro sobre isso ,precisamos catalogar a violência psicologica que essa emissora está propagando