6 de outubro de 2014

A Fazenda a cada dia pior.

A Fazenda já está em sua sétima edição, portanto, se não adquiriram até hoje a devida competência para realizarem um Reality Show que seja, de fato, o que propõe o modelo desse tipo de programa, não é agora que vão exibir a qualidade que se espera de um evento dessa natureza. A Fazenda é um fiasco de dar dó... Faz aflição assistir o que se passa na casa grande, nas provas (manipuladas) nas formações de roça, com aquele ridículo Baú e os blefes que gera. O fato é que a cada edição A Fazenda piora e vai perdendo audiência, afastando os patrocinadores em razão dos problemas que vem apresentando, dentre os quais a falta de transparência, de credibilidade, de competência e de profissionalismo por parte de sua produção e direção. Para piorar mais ainda a situação periclitante do reality, o apresentador é péssimo. Em sete anos à frente do programa, não melhorou nada, continua com seus insuportáveis e ridículos suspenses, tão forçados que não suscitam nenhuma curiosidade. Forçado demais, repetitivo de dar aflição, cheio de tiques infantilóides, Brito Junior não é a pessoa indicada para estar à frente de um programa dessa natureza.
As provas são vergonhosamente fraudadas. É indisfarçável a falta de transparência em todas que foram executadas até agora. A fraude é notória pela falta de cronômetro nas provas com contagem de tempo, no caso do Baú, o conteúdo dos envelopes não é comunicado ao público, o resultado das votações completamente distanciado do resultado anunciados nas enquetes. Além disso, há a omissão de punições nos casos de agressões físicas, notadamente quando o agressor é um protegido da direção. O caso de Diego é escandalosamente notório, o cabrão desequilibrado desacata a todos, comete agressões físicas e nada lhe acontece. 
Já aconteceu de tudo em termos de baixaria nas três últimas edições do programa: agressões verbais pesadas. Cusparadas na cara, copos de bebidas jogados no rosto dos desafetos, ameaças de pancadaria, desrespeito com as mulheres, atacadas moralmente, gritos medonhos e até maus tratos aos animais... Nem a hora das refeições é respeitada, bem como as boas maneiras usuais à mesa. 
Gostaria de saber de qual hospício trouxeram a maioria dos que estão em A Fazenda 7. Comportam-se como um bando de doentes mentais, de sádicos e gentalha sem um pingo de educação. Em alguns momentos o sadismo raia à perversidade, como ocorreu na formação da última roça, quando Filipeh humilhou, desacatou e desmoralizou as irmãs negras Pepê e Nenem. Isto sem que o apresentador incompetente nada fizesse para pôr freios no palavrório desumano e preconceituoso do gay sem freios na língua viperina. O diretor está muito longe de ter a competência de Boninho para construir um reality com a audiência que tem o Big Brother Brasil. Da mesma forma que Brito Junior não chega sequer a ser uma caricatura de Pedro Bial. É incompreensível que uma produção e um diretor de um reality sediado em um lugar tão esplendoroso, não consigam enxergar o cenário maravilhoso que têm para fazerem um estupendo programa, prefiram transformar a beleza exuberante daquela fazenda belíssima, com seus animais, jardins, e as imensas chances de promoverem momentos prazerosos de diversão, de deleite para os participantes e telespectadores, preferindo fazer daquele paraíso um lugar de disputas belicosas, de cenário para barracos eivados de brutalidade, de ofensas e injúrias dignas do extinto Carandiru. E toda a canalhice que rola na casa sede é aplaudida e estimulada pelo diretorzinho incompetente e chegado a uma baixaria. Hoje é noite de formação de Roça, o que vale dizer que é noite de pugnas nojentas, muita lama respingando em todos, sob os olhares medrosos e a insegurança de um Brito Junior sem pulso para pôr os moleques calhordas em brios.

Nenhum comentário: