25 de setembro de 2014

É ainda incerto o retorno de Roy ao jogo...


Para um programa que aposta no sensacionalismo em prol da audiência, o escândalo da prisão do participante e ex-Menudo Roy Rosselló foi uma oportunidade imperdível para pôr o reality show em evidência. Por determinação judicial, o peão Roy deixou a sede da Fazenda na manhã desta quinta-feira (25), acompanhado por agentes da polícia para prestar depoimento numa delegacia por não estar pagando pensão alimentícia. Seu retorno para a Fazenda, no entanto, é possível, pois foi solto após o pagamento da fiança exigida pela justiça (paga pelo advogado e pela família de sua atual mulher), assim, ele poderá continuar no jogo, caso queira voltar e se Carelli o permitir. A Roça de hoje havia sido suspensa até que seja decidida a volta ou não do ex-menudo. No programa desta noite, às 22h30, você conhecerá os detalhes do ocorrido com o participante e a repercussão do fato entre os demais jogadores. Aliás, eles não sabem o motivo do sumiço de Roy. 
As enquetes sobre a Roça mostravam um quase empate técnico entre os dois concorrentes... Sorte para o Roy, espero que dê tudo certo e ele possa voltar para a Fazenda e descobrir se fica ou se é eliminado de vez. Agora, o seu destino estará nas mãos do público.
Roy já foi levado de volta para Itu, ficando isolado numa sala no prédio onde ficam as pessoas da Produção. Ainda não é certa a volta dele para o jogo. A produção está reunida para decidirem, de acordo com as normas que regulam o reality. Se a produção resolver não aceitá-lo mais, um outro deverá ser chamado para substituí-lo. Espero que Carelli seja mais feliz na escolha do substituto, que nos traga um homem do tipo Macho Alfa, que saiba conviver com as diferenças, que não seja um grosseirão como o tal Diego Cristo, atual Fazendeiro. Este sujeito surtado e metido a mandachuva, com direito de humilhar e esculachar com todos e todas na fazenda. Chega de convidar gente de baixo nível, barraqueira e em noção do que seja respeito pela dignidade do outro.
O público também gosta de outras coisas, não apenas de barraco puro e simples, como pensa a produção do programa, mas a Record não sabe fazer de outro jeito, é ainda muito primária em matéria de reality show, por isso é que a seleção é tão bem pensada nesse sentido. Eles não tem o know how, nem o timing do BBB, não sabem tão bem, quanto a produção do BBB, explorar as nuanças, por isso mesmo desde a Fazenda 3 só apostam em elencos bem agressivos, para terem o que querem, o barraco nu e cru, a baixaria, o desrespeito, a vulgaridade de gente tosca da periferia...
Não foi por acaso é que eles puxaram o Diego para a seleção de última hora e dispensaram aquele Guilherme Leão, que até confinado já estava, era um tipo bem mais refinado. Preferiram preterir um tipo que era mais calmo, educado e classudo, porque poderia render melhor ali dentro um desconhecido traste louco como Diego, capaz de fazer toda sorte de barracos, agressões verbais deprimentes e dar shows de surtado. Diego Cristo se ajustava perfeitamente ao papel de cafajeste destravado que a produção queria para alavancar a audiência (cada vez mais para baixo). Acontece que toda aquela surtação de Diego não tem verdade, não tem uma história nem script, é totalmente non sense. É atitude de quem quer aparecer, quer ser a segunda edição de Téo Becker ou de Nicole Balsa, o machão do programa, o que manda e pode humilhar a todos. Ao fim e ao cabo, essa brigalhada toda promovida por ele vai cansando, da mesma forma que já causa cansaço os barracos da periguetona surtada e arrogante Lorena (quem é mesmo essa mulher? Nunca ouvi falar nessa fulana!)
Com efeito, essas brigas viraram mais um artifício do que a consequência de um conflito natural derivado da convivência forçada, sob pressão, inerente ao próprio jogo, na medida em que reúne pessoas com personalidades bem agressivas, algumas sem um pingo de educação, morando juntas.
Quando Britto falou em não "ficar no muro", queria dizer a mesma coisa que dizia Bial para os BBB's quando percebia que não estavam tão naturais:"Se entreguem ao jogo", justamente porque eles percebem, desde cedo, quando os participantes estão ou não com vontade de serem verdadeiros lá dentro...
É justamente por medo de não terem sucesso com essa edição, como tanto querem, que estão apostando nesse jogo surtado do Cristo. Não quero ser tão pessimista em relação a esse grupo, que é forte, tem muitos com potencial para fazer um jogo muito bom, mas, infelizmente, está totalmente travado. Todavia, se os loucos Diego, Maroni e Lorena saírem, acredito que não sobrará quase nada para comentarmos... A Fazenda virará uma colônia de férias sem nenhum atrativo.
Na Fazenda 1 foi a mesma coisa em relação ao Theo, e muitos eram de opinião, de que ele atrapalhava a dinâmica da casa. Admito que ele intimidava os demais, que ficou o tempo suficiente, porque catalisava as atenções, tirava o foco de outros conflitos, até muito mais naturais. Mas na Fazenda 1, a turma toda estava vivendo o jogo com garra, para valer, com sangue nos zóios, o que não está acontecendo nessa sétima edição.
Acho bem chato e cansativo o jogo do Diego, mas não sei exatamente se isso chega a ser um problema (a permanência ou não dele em Itu) acho que a coisa toda está mais para o: ruim com ele, pior sem. 
Temos que entender que a onda de discórdia nasceu a partir da criação dos grupos, como costuma acontecer. Tal divisão gera um tipo de jogo agressivo, de enfrentamentos, de covardia.
Sinto dizer que A Fazenda 7 está sendo lixo puro, o que nem sempre foi. As três primeiras edições foram ótimas, com gente que valia a pena ver, que sabiam se comportar com decência e zelo pelo próprio nome. Não dá para dizer que causa completa surpresa que já na primeira semana esteja em um nível de sedução baixíssimo.
Tirando a Lorena, que eu acho forçada demais em fazer um papel de Nicole Balis, acho que eles são aquilo mesmo, até porque não é fácil ter capacidade para interpretar de forma convincente se a pessoa não for um ator/atriz profissional.

Nenhum comentário: