25 de agosto de 2014

Marina, a candidata com a cara do Brasil!


Não é recente a minha grande admiração pela candidata à presidência da República Marina, seja por sua surpreendente história de vida, seja por sua excelente atuação como Ministra do Meio Ambiente, seja por sua gloriosa travessia sem máculas pelo lamaçal da política nacional e, de modo muito especial, por sua atitude e por seu discurso éticos, comedidos e lúcidos. Com a seu digno desligamento do PT, sem escândalos e sem lavagens de roupa suja, Marina deu um testemunho de sua serenidade, classe e respeito principalmente por si mesma, não se metendo em querelas com os super poderosos do partido.
Marina Silva: uma silva como milhares de silvas que existem neste imenso Brasil. Nome de plantinha silvestre, rasteira que nasce forte e resistente nas mais inóspitas terras, enfrentando os nome brasonados da política brasileira, orgulhosos das suas genealogias.
Tem topete e auto confiança, esta estupenda mulher que, sob a bandeira do PSB se dispõe a enfrentar os gigantes das pelejas eleitorais.
A notícia de sua candidatura à Presidência da República irrompe, no entanto, como uma luz no fim do túnel obscuro da sucessão presidencial, como uma promessa de que teremos muita agitação nas discussões das propostas dos seus adversários, trazendo para o debate os grandes e urgentes problemas ambientais, educacionais, de segurança e de saúde pública que já não podem esperar muito mais por soluções. Marina não precisa de discursos demagógicos para convencer, basta ela e a sua verdade, ela e a sua consciência acerca da gravidade das ameaças que pairam sobre a nossa floresta, sobre o meio ambiente e outros tantos problemas que temos.
Acredito que a candidata terá condições de eleger-se nessa segunda tentativa. É certo que a sua presença na disputa atrapalhará muito a reeleição de Dilma a pouco simpática e polêmica candidata petista, apadrinhada por Lula, interessado em preservar seu lugar no Planalto nas eleições de 2018.
Apesar do esforço que faz para ser simpática, Dilma não conseguiu livrar-se da carranca medonha, do gênio autoritário e da arrogância que lhes são peculiares. Falta-lhe o que sobra em Marina: carisma, sorriso franco, transparência, semblante sereno e simplicidade.
Marina é uma idealista, uma lutadora, uma política que ainda acredita na ética, na honestidade e no decoro que pautam sua conduta irrepreensível. É uma política com uma meta traçada a perseguir. Será difícil para a senadora competir com os gigantes Dilma e Aécio, ambos com uma bem montada máquina partidária a respaldá-los? Sim. Mas não é impossível! Todavia, é bom não esquecer que na nossa triste realidade política, nem sempre os melhores são os eleitos. Os racistas ficam arrepiados de horror
só em pensar na possibilidade de ter na presidência da República Tupiniquim uma afro-descendente, uma mulher negra, de cabelos crespos, pobre, feia e sem os lustros da alta burguesia endinheirada...


2 comentários:

vanny marques disse...

Eva, há muito tempo lhe admiro, e após ler seu texto, uma pergunta me inquieta... Qual é mesmo a verdade de Marina Silva? Tenho imensas dúvidas a esse respeito.

Anônimo disse...

Gosto da Marina. Mas com a morte do Eduardo Campos, prejudica a campanha dela. E a investigação da polícia federal sobre o avião ? Tomara que o resultado dessa investigação não tire a candidatura da Marina. E que ela realmente consiga chegar ao segundo turno concorrendo a presidência com Dilma.